Conheça a razão principal pela qual você não vê resultados dos seus exercícios.
Você sua a camisa diariamente na academia, aposta em treinos intensos, supera seus limites nos exercícios e ainda assim não consegue notar diferença?
Saiba que a razão pela qual você não está vendo resultado pode estar no tipo de dieta que adota no dia a dia.
Faz exercício e não emagrece? Veja o motivo
A prática regular de exercícios é extremamente importante para a saúde e para o processo de emagrecimento, mas, sozinha, sem uma boa alimentação, ela não produz efeitos.
E engana-se quem pensa que é possível “compensar” uma dieta desequilibrada com doses extras e até excessivas de atividades.
Estudos mostram que o aumento nos níveis de atividade física da população global geral nos últimos 30 anos não fez com que os índices de obesidade deixassem de crescer, indicando que o aumento de peso está mais relacionado ao tipo e a quantidade de calorias consumidas.
Tentar emagrecer sem fazer dieta, apenas com intensa prática de exercícios, além de prejudicial para a saúde, deixa o processo de perda de peso muito mais difícil.
Afinal, a quantidade de atividades necessária para queimar as calorias, especialmente de uma alimentação pouco equilibrada, será muito alta.
Em entrevista ao VIX, a nutróloga e educadora física Silvia Santamaria explicou que quando uma pessoa quer emagrecer e, para isso, faz exercícios além da dieta, consegue manter intacta sua massa muscular ou mesmo minimizar as perdas, pois é protegida pela atividade física.
Nesse caso, o que se perde é gordura.
Por outro lado, pessoas que só fazem dieta, sem se exercitar, podem sofrer com diminuição dos músculos.
A nutróloga diz ainda que é necessário diminuir a quantidade de calorias ingeridas para que haja um déficit calórico negativo, como uma matemática simples, ou seja, é preciso gastar mais do que se come.
© Georgijevic / iStock.    © AJ_Watt/iStock.    
Portal MSN.

Vitamina D pode ser a chave para prevenir artrite reumatoide.
A artrite reumatoide é uma doença autoimune em que o sistema imunológico causa inflamações nos tecidos do corpo, especialmente nas articulações.
Apesar do nome complicado, a condição é comum: atinge 2 milhões de pessoas só no Brasil. E não pense que é um problema apenas de idosos – para ter ideia, a encrenca pode dar as caras já aos 30 anos.
Mas a ciência vem pesquisando maneiras de evitar essa doença que causa dor, inchaço e vermelhidão nas juntas, além de fadiga e até incapacidade de realizar tarefas do cotidiano, em estágios mais avançados.
Recentemente, pesquisadores da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, reforçaram um elo que já vem sendo investigado: o de que a vitamina D pode prevenir a artrite reumatoide.
Esse nutriente é um potente regulador do sistema imunológicos. Em relação a doenças autoimunes, sabe-se que ele é capaz de acabar com a inflamação. Inclusive, pacientes com esse tipo de artrite costumam apresentar deficiência de vitamina D e, com frequência, precisam suplementá-la.
A questão é que, segundo o trabalho britânico, essa medida não é efetiva para quem já tem o problema.
“Provavelmente, porque as células imunológicas das articulações desses pacientes já estão comprometidas pela inflamação”, especula Martin Hewison, principal autor do artigo.
Já quem ainda não desenvolveu a enfermidade tem muitas vantagens ao manter a vitamina D em níveis adequados.
“Nossa pesquisa indica que isso ajuda a prevenir o surgimento de doenças inflamatórias como a artrite reumatoide”, destaca Louisa Jeffery, que também participou do trabalho.
Então, se você tem casos na família ou simplesmente se preocupa em cuidar da sua saúde lá na frente, procure um médico e veja como garantir que sua vitamina D esteja em alta.
Aproveite também que o verão  e tome alguns minutos de sol por dia em áreas como braços e pernas.
De preferência, evite se expor à radiação das 10 às 16h, horário em que há maior risco de os raios solares causarem queimaduras e até câncer de pele.
© Thinkstock/Getty Images.
Portal MSN.   

Quem nunca sofreu tentando abrir um pote de azeitonas? A gente puxa pra lá, puxa pra cá, mas nada parece acontecer.
O que fazer?
Os seus problemas acabaram! O TudoGostoso te conta 4 truques infalíveis para abrir potes difíceis. Confira!
Colher ou faca sem serra
Esses dois talheres podem te ajudar e muito na hora de abrir um pote de vidro. Encaixe a ponta da faca ou da colher entre a tampa e o vidro e faça força em volta dela toda. Dessa maneira, você estará forçando o ar a entrar no pote e eliminar o vácuo.
Mas tome cuidado, viu?
Nada de se cortar ou até mesmo quebrar o pote! Dessa forma, fica até mais fácil preparar aquele delicioso risoto de palmito.
Calor e mais calor
O truque da faca não deu certo?
Nós temos outra opção para você: esquentar a tampa. Existem várias maneiras de fazer isso acontecer.
Você pode passar a borda da tampa no fogo (com muito cuidado para não se queimar!), ou despejar água quente. Dá até para usar o secador de cabelos para aquecer a tampa.
Mas lembre-se de, na hora que for abrir, utilizar um pano de prato.
O calor faz com que o material da tampa dilate, liberando o vácuo e deixando o ar entrar. Prático, não? Nada de recorrer ao vizinho para comer aquela geleia de morango no café da manhã!
Batidas no fundo
Opa, chegou a hora de descontar a sua raiva. Mas nada muito drástico para não causar acidente!
Vire o pote de cabeça para baixo, de maneira que a tampa esteja bem segura. Com a outra mão, bata no fundo com pote para forçar a saída do ar. Mamão com açúcar!
Furos na tampa
Se nada adiantou de jeito nenhum, você terá que recorrer ao truque da destruição: com a ajuda de um abridor de latas ou uma faca, faça furos em toda tampa do pote: isso fará eliminar o vácuo do pote.
Depois é só girar a tampa e está tudo certo!
Mas vale lembrar que esse truque só serve se você for usar todo o alimento do pote, viu? Porque depois não vai ter como conservá-lo!
© Fornecido por Webedia SAS. © Fornec.
 
Portal MSN.


Você não consegue emagrecer?
A ciência explica os motivos.

As razões por trás da dificuldade em perder peso podem estar nos hábitos alimentares e físicos ou no próprio organismo. Saiba o que fazer para corrigi-las
Insônia, comportamento sedentário, comer depois de praticar exercícios ou por estresse podem ser fatores que dificultam o emagrecimento.
Emagrecer pode ser muito mais difícil para algumas pessoas. Segundo um recente estudo publicado no periódico científico JAMA, metade dos indivíduos acima do peso reportam dificuldade para emagrecer.
De acordo com a nutricionista americana e autora de livros sobre perda de peso Melina Jampolis, em artigo para a rede CNN, não existe uma razão simples para esse dilema.
No entanto, alguns estudos lançam luz sobre o problema, seja pelo ponto de vista nutricional ou pelo comportamental, o que pode ajudar a resolvê-lo.
Amnésia calórica
Essa é uma das causas mais comuns, mas fácil de corrigir. Na prática, as pessoas consomem mais calorias do que imaginam.
      Embora algumas dietas populares digam o contrário, o excesso de calorias diárias tem um impacto no ganho de peso.
Durante o dia, as pessoas esquecem ou não consideram os valores calóricos de suas refeições e acabam extrapolando em quantidade.
Para sempre lembrar dos alimentos consumidos ao longo do dia e evitar exageros, o recomendado é manter um diário ou um aplicativo no celular que contabilize o consumo calórico.
  Pesquisas mostram que com esse simples método é possível acelerar a perda de peso em até duas vez, reduzindo a sensação de frustração.
Outra causa bastante comum, mas um pouco mais difícil de solucionar, são as fugas da dieta nos finais de semana.
Segundo Melina, às sextas-feiras, sábados e domingos as pessoas tendem a comer (e beber) muito mais do que durante a semana.
Dessa forma, mesmo seguindo dietas durante os dias úteis, os esforços são anulados por esses dias de folga.
No entanto, para o alívio de quem deseja perder peso, não é preciso acabar com os prazeres alimentares do final de semana. De acordo com Melina, basta limitar as quantidades ingeridas.
Se você costuma tomar duas taças de vinho, por exemplo, tente tomar apenas uma. Se você comeu uma sobremesa no dia anterior, não repita no dia seguinte.
Além disso, é preciso tomar cuidado com dietas que incluam um ‘dia do lixo‘, um dia da semana em que você pode comer o que quiser sem culpa. Segundo a nutricionista, isso pode afetar os resultados.
Uso de medicamentos
Grande parte dos profissionais não recebe treinamento adequado para tratar a obesidade.
Muitos não estão cientes de que os medicamentos que prescrevem podem tornar o emagrecimento ainda mais difícil, causando o efeito oposto: o ganho de peso.
Segundo Caroline Apovian, presidente da The Obesity Society, organização americana dedicada a estudos sobre obesidade, certos medicamentos indicados para combater doenças associadas à obesidade, como diabetes, pressão alta, ansiedade e depressão, podem contribuir para o ganho de peso.
É o caso dos beta-bloqueadores, benzodiazepínicos, algumas classes mais antigas de antidepressivos e antipsicóticos, e métodos contraceptivos, como as pílulas.
Muito do que sabíamos sobre os efeitos da gordura na alimentação mudou nos últimos anos. A comunidade científica mostrou que alimentos ricos em gordura insaturada, como nozes, abacate e azeite, desempenham um papel importante na dieta.
Mas se você consumir grandes porções desses alimentos, sem o equilíbrio de outros nutrientes, de nada adiantará.
Segundo Melina, a gordura tem mais que o dobro das calorias presentes em carboidratos e proteínas.
Dessa forma, as calorias provenientes das gorduras, mesmo as saudáveis, somam mais rapidamente. Mesmo os alimentos integrais em grandes quantidades podem engordar.
Para a especialista, a melhor forma de prevenir o ganho de peso é controlando as porções ingeridas, até mesmo de alimentos considerados saudáveis.
A síndrome metabólica, um conjunto de condições associadas a resistência insulínica e ao excesso de produção de insulina, é outro fator para o aumento de peso desenfreado, que torna o processo de emagrecimento muito mais difícil.
A insulina suprime a eliminação de gorduras armazenadas e promove a formação de gordura a partir da glicose.
Desse modo, uma pessoa que possui resistência insulínica ou o seu excesso tem muito mais dificuldade de emagrecer.
Mulheres com a circunferência da cintura superior a 88 cm e homens com circunferência maior que 102 cm têm um maior risco para a síndrome, que pode ser tratada através de dietas específicas, medicamentos e outras abordagens.
Outras razões
Insônia, comportamento sedentário, comer depois de praticar exercícios ou por estresse podem ser fatores que dificultam o emagrecimento.
Dieta rica em alimentos processados e com baixo consumo de frutas e vegetais também pode ser uma das razões para o aumento de peso, mesmo quando a pessoa come pouco ou pratica atividades físicas regularmente.
(iStock/Getty Images).
Revista VEJA online.

Inflação no ano é a menor desde 1998, diz IBGE.

IPCA tem aumento de 0,28% em novembro, e o acumulado no ano até o mês é de 2,50%, a menor taxa para o período em 19 anos
O maior impacto para o baixo avanço nos preços foi o grupo alimentação e bebidas, que registraram a sétima queda mensal consecutiva (-0,38%)
Os preços monitorados pelo IPCA subiram 0,28% em novembro, segundo divulgou o IBGE nesta sexta feira. Com o resultado a inflação acumulada no ano (2,50%) é a menor desde 1998, nesse tipo de comparação. Em outubro, o índice havia subido 0,42%.
O maior impacto para o baixo avanço nos preços foi o grupo alimentação e bebidas, que registrou a sétima queda mensal consecutiva (-0,38%). O IPCA é calculado por meio da simulação da cesta de compras média das famílias brasileiras, e esse grupo é o que tem maior participação (24,7% do total).
Com isso, a queda nos preços de alimentos tem grande impacto para “segurar” o índice geral.
Na outra ponta,o maior avanço foi no grupo habitação (1,27%), que teve a maior alta.
O grupo também havia registrado o maior avanço no mês anterior (1,33%). Entre as principais influências em novembro estão o aumento dos preços de energia elétrica (alta de 4,21%) –  por causa da vigência maior bandeira tarifária (vermelha 2), que indica sobretaxa no nível mais alto – e o gás de botijão (1,57%).
O preço do botijão ao consumidor final foi impactado pela alta do preço que a Petrobras cobra nas refinarias das distribuidoras, de 4,50%, segundo o IBGE. Desde junho, esses reajustes somam 68%.
Na quinta-feira, a petrolífera anunciou que mudaria o cálculo para a mudança de preços, com o objetivo de suavizar o impacto.
Houve também aumento nas taxas de água e esgoto (1,32%), impulsionadas pelo reajuste de tarifas em São Paulo.
O grupo transportes foi o segundo que mais subiu no mês (0,52%), com a gasolina tendo alta de 2,92% e o etanol,  de 4,14%. Os grupos habitação e transporte respondem por 15,7% e 18,1% do IPCA, respectivamente.
Inflação
O centro da meta de inflação definida pelo governo para o ano é de 4,5%. Mas há uma margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual, o que faz com que os limites vão de 3% a 6%.
O mercado financeiro estima que o IPCA encerrará o ano em 3,03%, ligeiramente acima do piso mínimo. O ritmo fraco de avanço de preços no ano tem levado o Banco Central a reduzir os juros.
Na última quarta, a taxa Selic caiu 0,50 p.p., a 7%, o menor patamar da história.
(Reinaldo Canato/VEJA.com)
Revista VEJA online.


País tem 59,9 mi de pessoas com nome sujo por falta de pagamento.
Quase metade da população entre 30 e 39 anos tinha o nome inscrito em alguma lista de devedores em novembro
O país tem 59,9 milhões de pessoas com o nome sujo por atraso no pagamento de contas. Esse número representa quase 40% da população entre 18 e 95 anos, segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).
O CPF dessas pessoas tem restrição para contratar crédito ou fazer compras parceladas, ou seja, só podem fazer aquisições à vista.
Os dados de novembro correspondem a uma alta de 0,23% na comparação com o mesmo mês de 2016 e de 0,15% em relação a outubro.
De acordo com o levantamento, quase metade da população entre 30 e 39 anos tinha o nome inscrito em alguma lista de devedores, somando 16,93 milhões de pessoas.
Para o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro, a queda no total de devedores com nome suja passa pela melhoria das condições econômicas, principalmente da geração de emprego.
Getty Images.
Portal MSN.


Com preço médio de R$ 4,052, litro da gasolina bate novo recorde.
Apesar do aumento ao consumidor, o preço nas refinarias da Petrobras caiu 0,85% na última semana, segundo dados divulgados pela petrolífera.


O preço médio do litro da gasolina subiu pela sexta semana consecutiva e foi de 4,051 para 4,052 reais, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
É o maior valor cobrado dos consumidores no ano. O levantamento levou em conta os preços de 3.112 postos no país.
Apesar do aumento ao consumidor, o preço nas refinarias da Petrobras caiu 0,85% na última semana, segundo dados divulgados pela petrolífera. Os postos têm liberdade para definir o valor final do produto.
Desde julho, quando entrou em vigor a política de reajustes atual – que permite correções até diárias – o preço nas distribuidoras subiu 22,6%.
Etanol e diesel
O preço médio do etanol permaneceu em 2,872 reais por litro na última semana, segundo pesquisa da ANP com 2.718 postos. O maior valor no ano até agora foi registrado em janeiro, de 2,931 reais.
O diesel caiu de 3,466 reais para 3,441 reais por litro. O preço nas refinarias subiu 2,51% no período, segundo a Petrobras.
© VEJA.com
Portal MSN.



BENEFÍCIOS DO MAMÃO.
Muito popular entre os brasileiros, o mamão é uma ótima opção para uma dieta saudável e natural.
Tanto o mamão Formosa (grande) quanto o papaia são ricos em vitaminas A e C e contam com grandes quantidades de licopeno e betacaroteno, substâncias que atuam no combate aos radicais livres, beneficiam a saúde da pele, da visão e do coração.
O mamão também possui riboflavina, a chamada vitamina B2, que ajuda a reduzir o estresse e a preservar o sistema nervoso. Muito rica em fibras, a fruta facilita a digestão e é boa para evitar prisão de ventre.
O mamão também se mostrou eficiente na inibição de células de câncer no intestino, segundo um estudo realizado na USP.
Além disso, o mamão pode ser consumido sem preocupação por quem faz dietas de redução de peso, pois contém apenas 39 calorias a cada 100 gramas de fruta.
Versátil, é possível consumir também as sementes do fruto, que dão um sabor picante se adicionadas à comida, e as folhas do mamoeiro.
O mamão
Natural, cozido ou liquefeito - pode ser usado como laxante e diurético, se consumido de manhã cedo.
O consumo de suco de mamão misturado em igual proporção com mel atua no combate a parasitas e vermes.
A mistura deve ser tomada no começo do dia, em jejum.
Confira o vídeo sobre o estudo realizado na USP:
Conheça três receitas naturais a base de mamão:
Xarope de Mamão Verde
Ingredientes:
  • Um mamão verde
  • Erva doce
  • Canela em pau
  • Anis estrelado
  • Cravo
Modo de preparo:
Corte a ponta do mamão e retire suas sementes, de modo a fazer uma espécie de copo com a fruta. Conserve a tampa.
Adicione os temperos a gosto dentro da fruta junto com uma xícara de chá de mel e leve ao forno com fogo baixo. Retire o mamão quando sua casca adquirir a cor marrom e coe o líquido. Conserve a mistura em um vidro esterilizado. Consuma no máximo quatro vezes ao dia.
Laxante Natural
Ingredientes:
  • 1 fatia média de mamão
  • 3 ameixas pretas sem caroço
  • 1 colher (sopa) de semente de linhaça triturada
  • 1 copo de suco de laranja
Modo de preparo:
Bata o mamão, as ameixas e o suco de laranja no liquidificador até obter uma mistura homogênea. Acrescente a linhaça e beba.
Máscara Rejuvenescedora
Ingredientes:
  • Um quarto de mamão papaia
  • Mel
  • 1 cenoura ralada
Modo de preparo:
Misture os ingredientes até que fique uniforme e aplique no rosto por 30 minutos, removendo em seguida com água boricada.
© Fornecido por eCycle Mamão: benefícios para a saúde
Portal MSN.


Descubra 4 alimentos que causam inchaço corporal.
Certamente você tem ou pelo menos já teve inchaço corporal alguma vez. Então sabe o tanto que ele incomoda, as roupas ficam mais apertadas, pernas e pés pesados, abdome distendido.
Mas já se perguntou por que isso acontece? Será que tem alguma relação com o que você vem comendo?
Essa retenção de líquidos corporais podem ter causas diversas, desde alterações hormonais, sobrepeso, intoxicação por metais tóxicos, intoxicação por parasitas, até mesmo o consumo de algumas bebidas e também de alguns alimentos.
Veja abaixo, alguns alimentos que devem ser evitados e outros que ajudam a diminuir o inchaço corporal:
1. Bebidas gaseificadas, elas possuem pH muito ácido.
2. Bebidas enlatadas ou em caixinhas, elas possuem excesso de conservantes.

3. Alimentos com excesso de sal refinado (sódio): embutidos, biscoitos, temperos prontos, sopa/macarrão instantâneo, molho pronto.

4. Alimentos com corantes artificiais como balas, gelatinas e refrigerantes.
Além de evitar esses “vilões”, existem coisas que podem te ajudar a diminuir o inchaço
ÁGUA DE COCO
CHÁ DE HIBISCO
CHÁ DE QUEBRA-PEDRA
PEPINO
AGRIÃO
SALSÃO
MELÃO
MELANCIA
FAZER EXERCÍCIO FÍSICO
A nutricionista ainda lembra que é preciso consumir no mínimo dois litros de água diariamente para um bom funcionamento dos rins, sistema circulatório e linfático.
A ingestão de água também é um grande auxílio no processo de eliminação de toxinas.
Fonte: Letícia Fontes, nutróloga da da Clínica MEI – Medicina Integrativa.
© Fotos: Getty Images.  
Portal MSN.

http://www.msn.com/pt-br/saude/nutricao/descubra-4-alimentos-que-causam-incha%c3%a7o-corporal/ar-BBGib1R?li=AAggXC1&ocid=iehp