Greve só termina com publicação no Diário Oficial, diz associação.
Caminhoneiros autônomos realizam o terceiro dia de protesto na BR 101, na altura do Trevo de Manilha, sentido Rio de Janeiro (RJ). Os motoristas organizam a paralisação contra o aumento do preço do combustível – 23/05/2018
A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), que lidera a paralisação dos profissionais autônomos em todo o país, afirmou na manhã desta quinta-feira, 24, que ficou decidido, em reunião com as lideranças do movimento, que a greve só será suspensa com a publicação no Diário Oficial da decisão do governo de zerar a alíquota das contribuições PIS/Cofins e Cide para o diesel.
Na noite desta quarta-feira, a Câmara dos Deputados, em votação simbólica, aprovou o projeto que reduz a desoneração da folha de pagamento para alguns setores da economia.
A proposta aprovada também prevê zerar, até o final deste ano, o PIS-Cofins que incide sobre o diesel. A medida foi incluída no texto como um aceno aos caminhoneiros, que paralisaram as atividades em todo o país em protesto contra a alta no preço dos combustíveis.
O texto segue agora ao Senado.
A aprovação da reoneração fazia parte de um acordo entre Congresso e Planalto para a redução do preço dos combustíveis.
A ideia era usar a arrecadação adicional com o fim da desoneração para compensar a eliminação da Cide, um dos tributos que incide sobre o diesel. O governo, porém, era contra zerar o PIS-Cofins, já que considera que, com a nova isenção, “a conta não fecha”.
Na noite desta quarta-feira, horas depois do encontro frustrado em Brasília, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, anunciou que a estatal vai diminuir em 10% o preço do óleo diesel nas refinarias pelos próximos 15 dias.
Parente classificou a medida como um “gesto de boa vontade” no momento em que é necessária uma “trégua” – e não por pressão do governo e dos grevistas.
A greve dos caminhoneiros entrou no seu quarto dia nesta quinta-feira e atinge o abastecimento de combustíveis, alimentos e paralisou parte do transporte público na cidade de São Paulo e no Rio de Janeiro.
Os caminhoneiros protestam contra o aumento de preço do diesel, reflexo da nova política de reajuste de combustíveis da Petrobras, que acumula alta de 56,5% na refinaria desde 3 de julho do ano passado.
© Folhapress.
Portal MSN.

4 semanas para secar a barriga de maneira saudável:
Médico ensina fórmula.
Disciplina, dedicação e, claro, orientação de um especialista são fundamentais para o emagrecimento saudável.
Se seu objetivo é eliminar barriga em pouco tempo, deve então conhecer as dicas do médico Juliano Pimentel que, em um vídeo em seu canal no YouTube, ensina como eliminar os quilos extras da região em até um mês:
1.   Coma mais fibras solúveis que absorvem maior quantidade de água e retardam a passagem de alimentos pelo trato digestivo, garantindo saciedade e afastando a fome.
2.   Além disso, as fibras podem diminuir o número de calorias que seu corpo é capaz de absorver e reduzir o acúmulo de gordura.
As fibras solúveis podem ser encontradas em opções como abacate, legumes, couve-de-bruxelas e amoras, por exemplo.
3. Consuma mais probióticos, que são bactérias vivas boas que desempenham importante papel na redução de inflamações do corpo e contribuem para a saúde do intestino. Portanto, aposte em alimentos como iogurte e kefir, por exemplo.
Limite o consumo de carboidratos simples, um dos principais causadores de obesidade e prejuízos ao organismo.
4. Aumente a ingestão de ovos, que são saudáveis, ricos em proteínas, promovem saciedade e ainda são capazes de reduzir a ingestão de calorias pelo organismo.
5. Elimine o açúcar do cardápio. O alimento, ligado a diversas doenças, ainda está diretamente relacionado ao aumento da gordura visceral.
© Lenasirena/shutterstock 4 semanas para secar a barriga de maneira saudável: médico ensina fórmula.
 © Albina Glisic / Shutterstock.
Portal MSN.
http://www.msn.com/pt-br/saude/nutricao/4-semanas-para-secar-a-barriga-de-maneira-saud%c3%a1vel-m%c3%a9dico-ensina-f%c3%b3rmula/ar-AAxzdHH?li=AAggXC1

Saiba como cuidar da boca ressecada no frio.
O frio chegou com tudo e é possível perceber na cara de muita gente. Isso porque o vento seco e gelado é uma das grandes causas da boca ressecada, que incomoda muito nessa época do ano.
Mas, com alguns cuidados simples, é possível manter os lábios hidratados e bonitos.
Chega de sofrer com a boca ressecada!
A causa
Não é só o vento frio que deixa a boca com o aspecto ressecado. Quando o nariz entope, é comum respirar pela boca, o que prejudica a hidratação dos lábios.
Além disso, medicamentos como os retinóides costumam estimular a descamação da pele e devem ser usados com cuidado.
A língua ajuda?
A dermatologista Daniela Schmidt Pimentel  afirma que passar a língua nos lábios não é uma boa ideia.
“O ressecamento pode piorar quando a pessoa passa a língua no lábio na tentativa de hidratá-lo, pois a saliva possui enzimas digestivas que, inclusive, podem causar dermatite de contato na pele”, explica a médica.
Hidratação
A hidratação da área ressecada é a maneira mais eficaz e adequada de tratar os lábios. Manteiga de cacau, hidratantes labiais e, em casos mais graves, pomadas usadas para evitar a assadura na pele dos bebês devem ser aplicadas.
Dermatologistas explicam como evitar a descamação dos lábios no inverno! 1
Batom pode?
“Batons geralmente auxiliam na hidratação, exceto os de longa duração que são mais secos, devendo ser compensado o ressecamento com os hidratantes labiais” explica a dermatologista Suzy Rabello.
Mas ela alerta que assim como o restante da maquiagem, batom e gloss também devem ser removidos ao fim do dia para garantir a saúde dos lábios.
Veja alguns cuidados para evitar a boca ressecada no inverno, assim como pele e cabelos:
Banho!
“Evite água muito quente durante o banho. Ela colabora para o aparecimento dermatite seborreica, além de ressecar ainda mais os fios”, aconselha a dermatologista Catarine Padoveze.
Por mais que você tenha vontade de tomar um banho quente, a temperatura ideal é a morna.
Pele seca.
Isso pode ser causado por vários fatores: as mudanças bruscas de temperatura, o vento e o ar seco favorecem a evaporação de água através da pele, diminuindo o grau de hidratação.
E para evitar isso, além de não tomar banhos muito quentes, você pode investir em hidratantes que possuam ativos como ureia, manteiga de karité ou óleos de amêndoas.
Cabelo.
Hidratar os fios ajuda a manter a maciez e o brilho. O ideal é usar produtos específicos para o seu tipo de cabelo.
O último enxágue, se feito na água mais fria, garante brilho e maciez aos fios.
Lábios.
As alterações no clima também afetam a área dos lábios, causando rachaduras e soltando pelinhas.
Vale investir em produtos que contenham ativos como pantenol, ceramidas e manteiga de karité, eles garantem a proteção da região.
E o rosto?
Nem pense em deixar o protetor solar de lado no inverno, mocinha. Ele é importante durante TODAS as estações.
E o especialista dá uma dica importante para a sua rotina: “limpe a pele com produtos adstringentes, hidrate e aplique um protetor solar. Isso ajuda a prevenir o aparecimento de manchas e até câncer de pele”.
E o secador?
O dermatologista Daniel Dziabas lembra que secar o hair danifica bastante os fios, por isso, “use protetor térmico antes de secar e sempre regule o aparelho em uma temperatura baixa”, explica o profissional. Também maneire na chapinha.
Olha a água!
Durante o inverno, acabamos “esquecendo” de beber água, mas você sabe o quanto ela é importante para a sua saúde, certo? Por isso, a nutricionista indica: "beba água de hora em hora, cerca de 200ml cada vez, e não só quando sentir sede”.
Atenção ao que você come!
"Os alimentos ricos em Omega 3 (peixes) e B3 (ovos) ajudam a manter a hidratação da pele e do cabelo”, diz a profissional Paula Vasconcelos.
© Fotos: iStock.
Portal MSN.



3 Benefícios do Alho para os Homens.
O Alho tem um papel fundamental em muitos aspectos diferentes da saúde humana. É extremamente saudável para homens e mulheres, mas há alguns benefícios do alho que se aplicam especificamente aos homens. Aqui estão 3 benefícios do alho para saúde dos homens:
Benefícios do Alho na Prevenção do câncer de próstata:
Estudos mostram que o consumo regular do alho pode levar a um risco reduzido de câncer de próstata. De acordo com vários estudos, o alho pode prevenir e retardar o crescimento de células cancerígenas da próstata.
Um estudo feito na China descobriu que os homens que consumiram níveis mais elevados de alho (e cebolinha) estava ligado a um risco com cerca de 50% menor de câncer de próstata.
Alho cru é considerada a melhor maneira de prevenir o câncer.
Benefícios do Alho para Saúde do Coração:
Os compostos dos alhos são transformados em sulfereto de hidrogênio, uma substância química que relaxa os vasos sanguíneos e aumenta o fluxo sanguíneo e circulação.
Estudos realizados mostraram que o sulfureto de hidrogênio desempenha um papel fundamental na prevenção de doenças cardíacas. Um estudo feito na Universidade da Califórnia descobriram que as pessoas que tomam extrato de alho, tiveram a progressão do acúmulo de placas em suas artérias, retardou 50% em comparação com pessoas que não tomam alho.
Benefícios do Alho para Impotência:
O alho pode aumentar os níveis de testosterona e melhorar a circulação sanguínea que estimula a produção do corpo nítrico de enzimas e sintase de oxido, que pode melhorar a libido e ajudar com a impotência.
VEJAM O LINK:

9 sinais de que a dieta está fazendo efeito, mesmo que a balança ainda não mostre
Não se deixe levar apenas pelos ponteiros da balança ao medir o sucesso de sua dieta, pois eles não podem ser considerados medidores absolutos e definitivos. Existem diversos outros sinais que indicam que você está no caminho certo e que seu plano alimentar está fazendo efeito.
Sinais de que a dieta está funcionando
1. Suas refeições são balanceadas, ricas em saladas, proteínas, fibras e grãos. Você não passa fome, consegue controlar o apetite e nunca mais experimentou a sensação de inchaço.
2. Seu trânsito intestinal apresentou significativa melhora nas últimas semanas e você nem lembra mais o que é constipação.
3. Você tem mais disposição, ânimo e energia para realizar atividades físicas e já sente que não sofre tanto para se exercitar.
4. Sua pele, unhas e cabelos melhoraram de aspecto, mesmo sem uso de cremes ou produtos de beleza.
5. De vez em quando você se permite, consome doces e guloseimas com moderação e sem culpa, e percebe que o hábito não resultou em quilos extras.
6. Os ponteiros da balança não diminuíram, mas suas peças de roupas que antes ficavam apertadas hoje caem como uma luva.
7. Seu sono melhorou e você consegue dormir tranquilamente pelo menos 7 horas todas as noites, sem desconfortos ou interrupções.
8. Você naturalmente reduziu a quantidade de açúcar e adoçante nas suas preparações, não sente falta de refrigerante e aumentou o consumo de água e chás.
9. Por fim, você se sente feliz consigo mesma. Quando se olha no espelho, pode até achar que precisa eliminar uns quilos extras, mas não sofre mais com estresse e ansiedade pois já percebeu que a perda de peso está em andamento e que não é preciso ter pressa para atingir seus objetivos.
©Fotos: ronstik/shutterstock.
Portal MSN.

http://www.msn.com/pt-br/saude/dieta/9-sinais-de-que-a-dieta-est%c3%a1-fazendo-efeito-mesmo-que-a-balan%c3%a7a-ainda-n%c3%a3o-mostre/ar-AAxpr1V?li=AAggPNl

Entenda por que as olheiras surgem e saiba como lidar com elas.
É muito difícil (talvez impossível) encontrar alguém que tenha olheiras de propósito, que faça de tudo para causá-las e mantê-las. Via de regra, olheiras são marcas indesejadas na pele ao redor dos olhos das quais todos querem se livrar.
Se você sofre desse mal, anime-se: há solução para todos os tipos de olheiras. Mas para conseguir combatê-las é preciso primeiro entendê-las.
Os principais tipos de olheiras…
O cirurgião plástico Marco Cassol, especialista em face feminina, explica que as olheiras podem ser qualificadas em quatro tipos principais:
– Olheira funda – que forma uma escuridão no sulco da lágrima;
– Olheira roxa ou azulada – que deixa uma marca desses tons ao redor dos olhos;
– Olheira inchada – as famosas “bolsinhas” debaixo dos olhos; e
– Olheira marrom – que deixa uma marca puxando para o tom marrom na pele na área dos olhos.
… E o que causa as olheiras
“As olheiras não possuem um único fator causador. Por isso, são classificadas como multifatoriais”, afirma Márcia Grieco, dermatologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.
Entre os elementos que mais predispõem às olheiras ela destaca a alergia (rinite, dermatite atópica, alergia a esmaltes), o tom de pele mais escuro e a influência genética.
Cassol, por sua vez, ressalta que “olheiras sempre têm relação com a má vascularização, ou seja, a má circulação sanguínea no local”. Os fatores que levam a essa condição são conhecidas por muitas de nós: noites mal dormidas, estresse, falta de hidratação de dentro para fora (ou seja, não beber água suficiente ao longo do dia) e fumar.
“Os componentes do cigarro diminuem a vascularização dos tecidos periféricos”, diz o cirurgião plástico.
Pessoas com tendência a desenvolver manchas de sol na pele também estão mais propensas a ter olheiras, segundo Marco.
E o formato do globo ocular, de acordo com Márcia, pode aumentar o efeito das olheiras, “pois quanto mais profundo, mais evidente fica a parte escura embaixo dos olhos”.
A flacidez na região dos olhos, decorrente da diminuição do colágeno típica do envelhecimento natural do organismo ou do envelhecimento precoce da pele (este último, culpa da exposição aos raios ultravioletas do sol sem proteção), é mais um agravante para o escurecimento da região e para a formação das olheiras inchadas.
Existe, ainda, o componente étnico: descendentes de orientais, como armênios ou árabes, apresentam manchas escuras na pele ao redor dos olhos.
Prevenir olheiras não é difícil
A forma primordial de evitar a maior parte das olheiras, esclarecem os especialistas, é cuidando de seus elementos causadores.
Tratar a rinite e a dermatite atópica, não usar esmaltes que causem alergia, dormir bem, beber pelo menos dois litros de água por dia, procurar driblar o estresse, não fumar e usar protetor solar são os melhores caminhos.
Você também pode contar com os cremes preventivos de olheiras, que estimulam a produção de colágeno e têm substâncias que melhoram a circulação local.
Em especial os que tenham vitamina D, vitamina E, ceramidas, retinol, lótus rutina e ginkgo biloba.
Para os casos casos que não são evitáveis – e também para os evitáveis que não foram evitados a tempo, porque acontece mesmo, e tudo bem –, é possível recorrer a produtos e tratamentos variados. Vamos a eles!
Tratamentos para todos os tipos de olheiras
A olheira funda é tratada com o preenchimento à base de ácido hialurônico. “Ele tem a concentração menor do que o que é usado em preenchimento dos lábios”, esclarece Marco, que prossegue:
“E não são injeções, mas sim aplicações com uma cânula, bem perto do osso, para preencher todas as camadas da pele.”
As olheiras roxas ou azuladas
São muito bem tratadas com aplicações de luz intensa pulsada, que é pouco agressiva e traz bons resultados para os vasos.
Já as olheiras marrons podem ser atenuadas com o uso de cremes específicos para a região dos olhos que sejam despigmentantes e/ou à base de vitamina C.
Cremes com vitamina C entre os principais princípios ativos também são os melhores amigos de quem tem olheira inchada, assim como o tratamento de carboxiterapia. Ambos melhoram a circulação sanguínea local.
Se estiver em dúvida sobre qual é o melhor caminho para o seu caso, consulte um/a dermatologista ou um/a cirurgião plástico. Os especialistas médicos são as pessoas ideais para esclarecer todas as suas dúvidas e indicar os melhores tratamentos e produtos, sejam eles de confiáveis marcas de cosméticos ou manipulados.
© Fotos: Thinkstock.
Portal MSN.



Pão deve encarecer até 20% com dólar caro; veja o que mais deve subir.
Metade do trigo usado no Brasil é importado e com alta do dólar, compras ficaram mais caras e preço do pão vai aumentar.
Mesmo que você não tenha viagem internacional marcada nem tenha a intenção de comprar produtos importados, a alta do dólar também vai atingir o seu bolso.
Isso ocorre porque boa parte dos produtos que os brasileiros consomem utilizam itens importados. Com a escalada da moeda americana, o repasse nos preços fica inevitável.
No ano, o dólar apresentava valorização perto de 12,8%, com a cotação batendo 3,78 reais. Com a intervenção mais forte do Banco Central (BC) nesta segunda-feira, a moeda abriu o pregão em queda, mesmo assim cotada a 3,70 reais.
De acordo com a professora de economia da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio, Michelle Nunes, o sobe e desce do mercado de câmbio afeta diretamente a economia no país e, consequentemente, a vida dos brasileiros. 
“Os produtos importados ficam mais caros quando o dólar sobe e, mesmo que ele seja fabricado aqui, pode ter matéria-prima ou peças importadas”, explica.
Pães e massas
Alimentos à base de trigo, como pão e massas, são alguns dos que sofrem o impacto direto da alta da moeda porque o país depende de importados para garantir o consumo interno. 
De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães e Bolos Industrializados (Abimapi), o Brasil consome cerca de 10 milhões de toneladas de trigo por ano, mas produz apenas metade disso.
O restante é importado, especialmente da Argentina. Porém, neste ano houve quebra da safra do país vizinho e o produto está sendo comprado nos Estados Unidos e América do Norte, o que eleva ainda mais o custo, já que importações dentro do Mercosul têm isenção tributária.
“Não bastasse essa situação que já é complicada para o preço, agora temos o agravante da alta do dólar”, afirma o presidente-executivo da Abimapi, Cláudio Zanão.
A estimativa, segundo ele, é que o pão e o macarrão fiquem cerca de 20% mais caro, enquanto que os biscoitos devem ter alta de 12% até o fim de junho. “Nos últimos 3 meses o trigo subiu quase 50%.
Agora com o dólar valorizado o produto vai ficar ainda mais caro e a tendência é que o repasse para o consumidor, que já começou a ocorrer, se intensifique”, avalia Zanão.
Para o economista da Associação Paulista de Supermercados (Apas), Thiago Berka, a alta do dólar tem impacto direto no setor.
“Produtos de limpeza e higiene pessoal, que dependem de artigos químicos importados em sua composição, podem ter reflexo”, diz.
No entanto, explica ele, a área de beleza e higiene pessoal, por exemplo, apresentaram deflação no último mês e, por isso, o efeito não deve ser tão grande para o consumidor. “Deve ter impacto, mas como há uma margem, deve ser menor”, considera.
“Mas no setor de alimentos a influência é maior, principalmente para pães e massas, porque nossa produção de trigo é baixa”, complementa o economista.
Remédios
Altamiro Carvalho, assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP), lembra que o setor farmacêutico também deve ser afetado pela valorização da moeda.
“Há uma grande importação de princípios ativos para a fabricação de medicamentos, isso sem falar que a indústria tem que pagar royalties para suas matrizes. Este setor tem duplo impacto cambial”, comenta.
O representante do comércio destaca também que o valor do combustível também deve sofrer influência dos aumentos do dólar. “Neste caso, o impacto é no frete e, consequentemente, em todos os produtos que consumimos”, avalia Carvalho.
Nesta segunda-feira, caminhoneiros autônomos paralisaram as atividades em todo o país em protesto contra o aumento do diesel. Nos últimos 12 meses, o diesel subiu 15,9% nos postos.
O aumento é resultado da nova política de preços da Petrobras, que repassa para os combustíveis a variação da cotação do petróleo no mercado internacional.
Viagens
Diante do cenário de alta da moeda, muitos brasileiros estão refazendo as contas para reduzir os gastos com as viagens internacionais. De acordo com Gervásio Tanabe, diretor-executivo da Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV Nacional), reduzir o número de dias, pegar um hotel mais simples e diminuir o consumo têm sido a estratégia usada para quem vai manter o passeio.
“Há também aqueles que preferem mudar o destino e, neste sentido, o mercado brasileiro começa a ficar mais atrativo”, comenta.
© Divulgação.
Portal MSN.


Inchaço, dores de cabeça e mais 13 sinais de que você pode ter intolerância ao glúten.
Inchaço, dores de cabeça e mais 13 sinais de que você pode ter intolerância ao glúten
De origem genética, a doença celíaca é uma condição caracterizada pela intolerância do organismo ao glúten, mais especificamente à gliadina, uma proteína presente no trigo, na aveia, no centeio, na cevada e em cereais utilizados na produção de alimentos e bebidas industrializadas.
A doença celíaca é autoimune, atinge cerca de 1% da população mundial e provoca um processo inflamatório no intestino delgado do paciente quando ele consome glúten, prejudicando assim a absorção dos alimentos, dos sais minerais e de outros nutrientes.
Sintomas de intolerância ao glúten
Inchaço, dores de cabeça e mais 13 sinais de que você pode ter intolerância ao glúten
Os sinais de intolerância ao glúten podem variar de pessoa para pessoa, mas os sintomas mais comuns da doença celíaca são:
Dores abdominais
Dores nas articulações
Dores de cabeça
Azia
Diarreia
Presença de gordura nas fezes
Inchaço
Náusea
Flatulência
Sinais de que você pode ter intolerância ao glúten
Cólicas
Ansiedade
Fadiga
Irritação na pele
Queda de cabelos
Perda de peso
Doença celíaca tem tratamento?
O tratamento da doença celíaca não requer nenhum medicamento específico, mas sim a suspensão total e permanente do glúten da dieta.
Pães, bolos, macarrão, bolachas, pizza e outros alimentos ou bebidas que possuam o glúten na sua composição ou fabricação precisam ser evitados.
O glúten, porém, pode ser substituído por farinha de arroz, amido de milho, farinha de mandioca, fubá, fécula de batata, trigo sarraceno ou quinoa nas preparações.
© Shutterstock.
Portal MSN.



Como diferenciar e prevenir as doenças mais comuns do inverno.
São Paulo – A partir desta sexta, uma frente fria deve avançar sobre as regiões Sul e Sudeste do país provocando queda significativa na temperatura e muita chuva, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).
Embora muita gente prefira o frio ao calor, é inegável que nesta época do ano alguns tipos de doenças respiratórias apareçam com mais frequência.
A gripe e o resfriado – as mais comuns – costumam atingir muitas gente, que nem sempre sabe diferenciar um problema do outro. Segundo Ana Paula Flora, gerente médica da Sanofi Pasteur, a gripe e o resfriado são duas doenças causadas por vírus diferentes, mas que costumam apresentar sintomas muito parecidos.
O resfriado normalmente é causado por alguns tipos de vírus específicos, entre eles o Rinovírus, Adenovírus, Vírus Sincicial Respiratório, Coronavirus, Echovirus e Paramixovirus.
Coriza, espirros, tosse, dor de garganta, lacrimejamento, moleza, febre baixa e de curta duração são alguns dos sintomas do resfriado.
Já a gripe tem como agente o vírus Influenza e seus sintomas costumam aparecer com mais intensidade.
“Uma pessoa com resfriado apresenta as vias aéreas superiores obstruídas, já na gripe os sintomas podem ser mais severos, como a febre alta, dor de cabeça e fadiga”, explica Ana Paula.
Segundo a médica, a transmissão da gripe pode ocorrer por contato direto, de pessoa para pessoa, via espirro, por exemplo, e também de forma indireta, ou seja, por meio de superfícies ou objetos contaminados.
Prevenção
Para a gripe, a vacinação é a melhor forma de prevenir a doença, mas algumas medidas de higiene, como lavar sempre as mãos, usar álcool em gel e lenços de tecidos na hora de tossir ou espirrar, podem ajudar na prevenção da gripe e também do resfriado.
Veja a seguir as principais diferenças dos sintomas da gripe e do resfriado:

© Reprodução infográfico.
ThinkstockPhotos.
Portal MSN.